Las Vegas. O mais mortífero tiroteio da história recente da América

O atacante estava no 32.º andar do hotel Mandalay Bay Casino quando disparou sobre 22 mil espetadores que assistiam a um concerto de música country, integrado no Route 91 Harvest Festival. O presumível atirador vivia a pouco mais de 100 quilómetros a nordeste de Las Vegas.

O Estado Islâmico reclamou a responsabilidade pelo tiroteio da última noite em Las Vegas. Mas o FBI já veio afirmar que não apurou qualquer ligação entre Stephen Paddock, de 64 anos, identificado como o atirador, e a organização terrorista de Abu Bakr al-Baghdadi. 

A imprensa norte-americana refere que Paddock não tem cadastro criminal, mas é conhecido pelas autoridades locais. A agência Reuters adiantava nas últimas horas que o homem ter-se-ia convertido há alguns meses ao Islão.

O número de vítimas deste tiroteio ultrapassa o balanço daquele que havia sido considerado o mais mortífero da história recente dos Estados Unidos - em Orlando, num clube noturno chamado Pulse Club, onde 49 pessoas foram mortas e outras 53 ficaram feridas; o autor estaria também associado ao Estado Islâmico.
Cronologia
Orlando, 12 de junho de 2016
O atirador foi Omar Mateen, americano de origem afegã, abatido nas imediações da discoteca. Fez reféns e alvejou pessoas dentro do estabelecimento frequentado habitualmente pela comunidade gay.

Alguns sobreviventes do ataque afirmaram que o culpado frequentava a discoteca. Omar Mateen, de 29 anos, chegou a ser investigado pelo FBI por suspeita de ligações a organizações terroristas em 2013. 

Os órgãos norte-americanos de comunicação social referiram que quando atacou o bar noturno, Mateen ligou para a polícia, jurando fidelidade ao Estado Islâmico.

Universidade Virginia Tech, 16 abril de 2007 


Um universitário entrou no dormitório feminino da universidade e matou duas pessoas.

Dias mais tarde, Cho Seung-Hui, de ascendência coreana, invadiu o edifício da faculdade de engenharia e abriu fogo contra mais 30 pessoas, alunos e professores, suicidando-se em seguida. 

O tiroteio fez 32 vítimas mortais e 23 feridos.

Escola de Sandy Hook, 14 dezembro de 2012


O tiroteio teve lugar na Sandy Hook Elementary School, na localidade de Newtown, a cerca de 128 quilómetros de Nova Iorque. 

Adam Lanza, de 20 anos, matou a mãe no Connecticut e de seguida foi para a escola, onde assassinou 26 pessoas, entre as quais 20 eram crianças. O autor do massacre suicidou-se.

Cerca de um ano após o tiroteio, a escola de Sandy Hook foi demolida.

San Bernardino: 2 dezembro de 2015


Foi a 2 de dezembro de 2015, em San Bernardino, na Califórnia, que um tiroteio no centro social para pessoas com necessidades especiais fez 14 vítimas mortais e 24 feridos. 

Os dois autores do massacre, Tashfeen Malik e Rizwan Farook, foram abatidos pela polícia norte-americana horas depois no Inland Regional Center, a 100 quilómetros de Los Angeles.

Dirigiram-se ao centro social armados e com um carro carregado de armamento e munições. Alegaram que tinham uma consulta médica.

A 16 de dezembro de 2015 o FBI fez saber que não foram encontradas provas de que o casal fizesse parte de uma célula terrorista organizada ou que mantivesse qualquer contacto com grupos jihadistas no estrangeiro.

Cinema de Aurora, 20 julho de 2012


Durante a estreia do filme “Batman: o Cavaleiro das Trevas renasce”, no cinema Century City, no subúrbio de Aurora, James Holmes, de 25 anos, atirou uma bomba de gás para a sala e começou a alvejar os espetadores. 

O tiroteio provocou 12 vítimas mortais e 70 feridos e James Holmes foi detido ainda no centro comercial.

Holmes foi condenado a 12 prisões perpétuas.

Washington, 16 setembro de 2013

Um tiroteio numa base da marinha norte-americana em Washington fez 12 vítimas mortais e dez feridos. Aaron Alexis, um contratante militar, ex-residente no Texas e sem ligações diretas a terrorismo, atingiu 20 pessoas quando abriu fogo nas instalações. Foi abatido pela polícia no local.

Antes do atentado, Alexis já apresentava um histórico de distúrbios mentais. O suspeito tinha antecedentes criminais relacionados com armas de fogo.

No complexo da marinha trabalhavam cerca de três mil pessoas. O edifício remonta ao século XVIII e é a mais antiga instalação da marinha nos Estados Unidos.

Igreja afro-americana, 17 de junho de 2015 

O suspeito entrou numa igreja afro-americana em Charleston, na Carolina do Sul, onde matou nove pessoas. Tratou-se de um crime de ódio, com motivações racistas.

Depois de assistir durante uma hora à leitura da Bíblia na igreja, Dylann Roof, de 21 anos, cometeu o crime. A 10 de janeiro de 2017 foi condenado à pena de morte pelo assassinato das nove pessoas. 

Dylann terá escrito um manifesto supremacista colocado online. Nesse texto referia que os brancos não deveriam sentir-se culpados pelo tratamento reservado aos afro-americanos.

O tiroteio teve lugar na Igreja Africana Metodista Episcopal de Emanuel, construída no século XIX, sendo uma das mais antigas da comunidade negra no sul dos Estados Unidos.

Por Messias Bezerra / RTP.PT

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.