Museu francês descobre que metade do seu acervo era falso

82 dos quadros, mais de metade do total, não podiam ser atribuídos ao pintor Etienne Terrus

Um museu francês dedicado ao pintor Etienne Terrus descobriu que mais de metade das obras do seu acervo são falsas, quando um especialista reparou que nos quadros do artista, especializado em paisagens, surgiam edifícios construídos após a sua morte.
Em alguns quadros atribuídos ao artista, que viveu entre 1857 e 1922, surgem retratados edifícios que apenas foram construídos após a sua morte.A revelação, adiantou a EFE, foi feita pelos meios de comunicação da localidade francesa de Elne, onde se localiza o museu. Isso ocorreu após o especialista e historiador de arte, Eric Forcada, ter começado a suspeitar da atribuição de alguns quadros da coleção a Terrus.
Perante a dúvida, foi criada uma comissão de especialistas para analisar o acervo do museu, que determinou que 82 dos quadros, mais de metade do total, não podiam ser atribuídos àquele pintor.
A autarquia de Elne, a sul de Perpignan, apresentou uma denúncia por falsificação e estimou o prejuízo causado em 160 mil euros (R$ 670 mil).
Pinturas, desenhos e aquarelas foram adquiridos ao longo de duas décadas pelo município para integrar o museu dedicado ao pintor que nasceu e morreu no local.
"Ponho-me no lugar dos visitantes que pagaram entrada e que viram obras falsas. É inaceitável", disse o presidente do município, Yves Barniol, à rádio France Bleu.
A emissora acrescentou que a investigação aberta pelos serviços franceses contra o tráfico de obras de arte inclui outros artistas e que o prejuízo pode se estender por toda a região. Com informações da Lusa.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.